Ba e a polícia

ba

Ba disse que a polícia é uma “bosta” (nota: “bosta” é um termo canónico). Muita gente indigna-se, pois Ba é do BE e não deveria dizer isso. Torço o nariz. Não sei se ele tem razão na interpretação do caso que causou as declarações – pelo que se vê nas curtas imagens, feitas pela vizinhança, é um típico caso de “porrada no beco”, com os cidadãos a investirem contra os polícias ali convocados para sanarem a situação. E estes a responderem. E daquele pouco que tenho lido de Ba e seus correligionários – alguns deles demagogos com palco usual no jornal “Público” e galões universitários – acho aquele discurso histriónico e sob uma ideologia execrável: são racialistas, e no caso dos académicos a adesão a essa ideologia é uma estratégia de obtenção de recursos, económicos e estatutários. Mas isso são contas de outros rosários.

Ler mais

Anúncios

Viva o treinador adjunto do Porto

img_757x498$2019_01_26_22_54_41_816322

(Postal de ontem para o És a Nossa Fé, blog sportinguista)

Diamantino Figueiredo, treinador adjunto de Sérgio Conceição (é o Nelson deles) tentou agredir adepto(s) com a medalha recebida no final do jogo (filme aqui).

Toda a cena me lembrou a final da Taça de 2018. Sabe-se o ambiente tétrico em que o Sporting foi jogar, não o descrevo. No final do jogo a equipa subiu à tribuna para receber as medalhas de finalistas vencidos. As imagens televisivas chocaram-me imenso: hordas de adeptos sportinguistas juntos à escadaria do Jamor insultavam os jogadores (e técnicos). Não foi só o vociferar insano que me espantou, foi o fel, o desespero daquela gente por uma mera derrota de futebol, ainda para mais tida naquele surreal contexto pós-Alcochete. Um desespero ululante de uma merda de gente que leva uma vida de merda e que na merda de intelecto que tem ainda sim pressente, de modo difuso, a merda que é e a merda que vive. E que uiva essa verdadeira desgraça – desgraçados desengraçados que são – nos campos da bola.

Ler mais

Escravismo e actualidade

mocambique-traficantesarabes

Tenho andado arredio disto do bloguismo. Escrevo outras coisas, menos ligeiras. Caso alguém tenha interesse (e paciência) coloquei agora na minha página da rede Academia.edu um texto que acabo de concluir: José Capela e a violência estruturante: o escravismo em Moçambique e a sociedade actual.

Se alguém o ler e me quiser enviar comentário ou crítica muito agradecerei.

Carvalho da Silva

Carvalho da Silva, que chefiou a CGTP, fez setenta anos e o DN fez-lhe uma entrevista a esse propósito. Interessante. E um belo diagnóstico sobre muito do ambiente reinante em Portugal, o país dos “afectos”, do “consenso” (e, em tempos, da necessidade da “bipolarização”): “Vivemos num país em que o conflito é considerado uma anomalia, quando não é.

Chapeau!

Celo de Sousa

marcelo_rebelo_de_sousa

A seguir a Sócrates, Celo de Sousa é o político de expressão nacional que mais abomino no rincão. Ou seja, o que julgo pior fazer ao país. Sim, pior do que os corruptores siameses Campelo/Portas, ou o insuportável Louçã, o stôr Nogueira ou o “florentino” (as known as filhodamãe) Augusto Santos Silva. Ainda assim surpreende-me a baixaria (e é difícil que um PR que muda em cuecas em público possa baixar mais baixo) a que ascendeu esta semana passada. A minha atenção para o facto é convocada por um comentário aqui no DO. Na mesma semana em que, em verdadeiro delírio popularucho, telefona em directo para a estreia de um programa de entretenimento televisivo – certo, a apresentadora é uma balzaquiana interessante, mas menos apetecível do que a do concorrente “Praça da Alegria”, já que o assunto é convocável -, os serviços de Celo de Sousa esqueceram o falecimento de Joaquim Bastinhas, figura relevante da cultura nacional. Googlei e confirmei. Bastinhas, exímio cavaleiro, e genro do incontornável Comendador Nabeiro (que tive a honra de conhecer em Maputo, quando integrou uma comitiva de um predecessor de Sousa), era uma figura popular e expoente de uma prática cultural tradicional portuguesa. Se fosse um futeboleiro Sousa iria abraçar a sua prole.

Mas o BE resmunga? O PAN protesta? Celo cala-se. E telefona à “Cristina”. O povo, em especial os seniores, demente ou proto-demente, rejubila. Os outros? Já lá não estão.

Preconceitos e Judite de Sousa

21307816_noocl

Nos dias actuais vigora a ideia de que não se pode ter preconceitos – algo que parece ser sinónimo do iluminismo, qualquer coisa como o cume da evolução da inteligência humana, da razão. E, assim sendo, urge que deles nos depuremos. E isso deve ser exercido também nas formas de tratamento, como nos dirigimos aos outros, como os nomeamos. Mesmo em relação aos que nos são mais próximos. Pois essas formas estão impregnadas de desvalorizações, relações de poder implícitas ou explícitas, categorizações que nos hierarquizam e a tantos amesquinham, mesmo  violentam. E nisso, por vezes, somos surpreendidos com as oposições que, cândidos, geramos. Muito me lembro do meu espanto quando, há cerca de 15 anos, uma colega antropóloga, feminista radical, me invectivou violentamente por eu ter referido, com evidente desvelo amoroso, “a minha mulher”. “É tua propriedade? és dono dela?“, clamou, La Pasionaria do género … Eu ainda tentei contribuir, anunciar a minha certeza (empírica até) de que me seria dedicado aquilo do “o meu marido” (ou até o mais coloquial “o meu homem”). Mas de nada serviu essa tentativa de defesa, e a inexistência da minha auto-crítica pública por esse “desvio de direita (machista)” esfriou o nosso relacionamento.

Ler mais

A ministra da Saúde e seus criminosos

48384988_2262514587361875_7465602618803355648_n(Entrevista ao Diário de Notícias: transcrição e excertos em filme. Para quem tenha dúvidas ou queira aludir a uma hipotética descontextualização, este trecho em rodapé aparece no oitavo filme apresentado)

Quem me está próximo preocupa-se por eu falar sozinho, aparente sinal de senilidade, óbvio marcador de maluquice. “Não te preocupes”, vou adiantando, “sempre falei”, o que não sei se sossegará alguém. Não sabe, passará agora a saber, se isto ler, que muitas vezes, não sempre mas muitas vezes, nisso falo com o meu pai. Ontem à noite conversei com ele sobre isto, esta ministra da Saúde PS que considera os sindicalistas renitentes como “criminosos, infractores”. “Pai, viste esta tipa, então o Partido apoia isto?” e ele, que foi comunista até à morte, daqueles cunhalistas “sem qualquer culto de personalidade”, a menear a cabeça, com ar até amargurado, e eu sarcástico “isto já parece lá a vossa União Soviética, para estes gajos um dia destes nem haverá direito à greve“, e ele a repreender-me “deixa-te de coisas“. E eu, qual adolescente implacável, “eu deixo, mas vocês é que são a geringonça, a esquerda, a apoiarem esta tipa“. Ele escorropichou o seu, sempre frugalíssimo, cálice de genebra (ou seria rum?), levantou-se e praguejou, à sua maneira, “patifes!“. E culminou “isto tem que acabar” antes do seu “boa noite, vou-me deitar“. Eu sorri, servi-me com abundância do rum (ou seria genebra?) e fiquei até a desoras a ver o “trio de ataque”, o Oliveira, o Gobern e um rapaz de melena arisca que “representa” o Sporting. Pois antes estes que tal ministra geringôncica. Depois, antes de me deitar, ao espelho lavando os dentes, surpreendi-me a falar sozinho, “criminosos? infractores? os sindicalistas? … estes gajos perderam completamente a noção”. Nisso a minha mãe assomou ao corredor, preocupada, “Zé vai-te deitar, já é tardíssimo e estás para aí a falar sozinho“, e eu que “tá bem, mãe, já estou a ir“, e ela sorri-me “vai, que já bem me basta o teu pai que não me deixa dormir, ali a falar mal do governo“.

A GNR

gnr

A Few Good Men (Uma Questão de Honra) é um até penoso filme, protagonizado pela então conhecida Demi Moore, o ainda jovem Tom Cruise e Jack Nicholson (num dos mais histriónicos overactings da sua longa carreira no género). Quase todos o terão (entre)visto, num qualquer serão televisivo. Mas lembro o argumento, completamente típico, um padrão de Hollywood: Cruise representa o jovem, algo desinserido, mais arisco do que rebelde, que enfrenta as perversões do “sistema”, provocadas pelo desvio (psicológico) de um malvado Nicholson, comandante de uma unidade de tropas especiais no qual um soldado morrera devido à recruta. No final, contra todas as expectativas (menos a de todos os espectadores, claro), o Young Rebel redime-se da sua apatia e derruba o mau indivíduo, purificando o sistema. O filme é de 1992, podemos dizer que passara o tempo dos anti-heróis. Mas também podemos dizer que exactamente nesse mesmo ano Hollywood produziu uma macro obra-prima, pois Mestre Clint realizou Unforgiven. Que serviria, (muito) mais que não fosse, para mostrar a tralha cinéfila e cultural que este “Uma Questão de Honra” era.

Ao saber do que vai acontecendo na GNR bem que me lembrei do filme. O comandante do centro de formação, um coronel Ramos, já foi apeado. E um antigo dirigente da escola da GNR, Carlos Chaves, com o posto de general, já veio dizer que o problema foi de o instrutor ter perdido a cabeça e o exercício não ser supervisionado. Pronto, está resolvido o assunto. O coronel Ramos segue para outro serviço, o tal instrutor irá dar instrução para outro lado. O sistema purificado, pois arejado. E mantendo-se tudo igual.

Ler mais

O Raposão, com a ministra no México

teodorico-e-alpedrinha-por-rui-campos-matos

(Teodorico e Alpedrinha por Rui Campos Matos)

Foi-se a ministra, orgulhosamente lesbiana, a Guadalajara, decerto que com adido à ilharga – mas não a Cuernavaca com o necessário Cônsul, estou disso certo – e por lá resmungou algo, sobranceira a portugueses, Portugal e seus jornalistas e jornaleiros. Entretanto, cá longe, noutro “lá fora”, ando eu a reler, 35 anos depois, o “Relíquia”. Eça não é, diz quem sabe, o Zola, o Balzac, muito menos o Flaubert, mas é o que temos, e ainda que me solavanque o encanto – tetrali o “Os Maias” por causa do filme de João Botelho, e disso me apercebi, já nada adolescente ou vinteanista, franzindo o meu cenho ao traço grosso da caricatura que escorrega daquele Ega – continua uma delícia.

Enfim, perorava a ministra lá em Guadalajara quando o Raposão, o bom do Teodorico, me aportou a Alexandria, naquela sua ímpia, pois humana, peregrinação à então Terra Santa. Logo se acolheu ao afamado e recomendado “Hotel das Pirâmides”, deparando-se com um patrício (onde é que não há um português?), “moço de bagagens e triste“, ali algo desvalido dados os infortúnios de amores e impensares, o Alpedrinha, figura ímpar do panteão queiroziano, mais que não seja por aquela sua sábia e monumental saída, que em mim habitava sem lhe recordar a autoria (“Tu já estiveste em Jerusálem, Alpedrinha?“, perguntou-lhe o Teodorico, “Não senhor, mas sei … Pior que Braga“, algo que talvez tenha acicatado aquele Luiz Pacheco). Chegava-se pois, no mesmo fim-de-semana da ministra no México, o bom do Teodorico às terras da Esfinge e, lá de tão longe, responde à sáfica governante: “E se o cavalheiro trouxesse por aí algum jornal da nossa Lisboa, eu gostava de saber como vai a política.”, atreveu-se o Alpedrinha. “Concedi-lhe generosamente todos os “Jornais de Notícias” que embrulhavam os meus botins“, logo concedeu o malandrote.

Isto nem em Cuernavaca lá iria. Quanto mais em Guadalajara.