Porque não te calas?

(Postal para o És a Nossa Fé)

O enorme mundial de 1982 acabou com o Itália-Alemanha. Foi o melhor mundial que me lembro, o magnífico Brasil e o “menino d’oiro” italiano acima de tudo. Mas a final ficou-me na memória também por isto, o velho (então velhíssimo para mim, nos seus 86 anos) presidente italiano, Sandro Pertini, exultante na tribuna de honra, ao lado do chanceler alemão e dos reis espanhóis, entre outros (no filme a partir de cerca do minuto e vinte segundos). E com a belíssima cena, que não se vê, de sacudir o seu cachimbo e ofertá-lo ao treinador Enzo Bearzot quando este subiu à tribuna (ou será imaginação minha?). As imagens correram mundo (num tempo de tão menos imagens), tornando-se icónicas. E com vários sentidos: o velho presidente símbolo do adepto, “tiffosi”, mas também do combatente antifascista que via então a sua Itália campeã, cinco décadas depois dos títulos sob Mussolini. Ficou assim consagrado o direito ao festejo, exultante, na tribuna de honra.

Read more

Anúncios

Meia-final da taça da Liga

Um jogo mau, 50 e tal faltas, para além dos lançamentos laterais lentos e da muita gente a rolar no chão como se em imenso sofrimento. Qualquer Brighton-West Bromwich tem mais futebol do que isto. Claro que é bom aceder à final da taça (em tempos dita Lucílio Baptista, agora rebaptizada CTT) e espera-se que não aconteça como na primeira edição do prestigiado troféu, quando o Vitória de Setúbal triunfou na final com o Sporting.

Read more

Grande Borregada

 

539

(Postal para o És a Nossa Fé, a propósito do Vitória de Setúbal 1 – Sporting 1)

A minha filha tem 15 anos, nunca viveu em Portugal, ainda assim é sportinguista (também com o pai que tem mal seria que não o fosse), foi uma vez a Alvalade (empate 1-1 com o poderoso Paços de Ferreira, se não estou em erro), e desde os seus 6 ou 7 anos vai de vez em quando (menos agora, lá no estrangeiro e eu por cá) ombreando no sofá com o depauperado pai, assim a ver a bola. Aconteceu isso no último Benfica-Sporting, em casa de bons amigos. E depois, já nós caminhando para o carro, desabafava ela (repito, nos seus 15 anos, sem conhecimentos enciclopédicos da matéria) “oh pai, é sempre a mesma coisa, há anos que é isto, levamos um golo no fim dos jogos”. Não, não estou a dizer “que da boca das crianças sai a verdade”. Pois ela já não é uma criança (ai, que saudades, ai, ai, como dizia o lampião Carlos Pinhão). Estou, pura e simplesmente, a dizer que até uma jovem nada fanática e algo distante destas coisas da bola constata o constatável.

Read more

Desconto de Tempo

Stromp-Sporting-2017-18-equipamento.jpg

(Postal para o blog És a Nossa Fé)

Começa este fim-de-semana a segunda volta do campeonato de futebol. A equipa está a dois pontos da frente. Está invicta: leio hoje que isso só aconteceu por sete vezes na história e que apenas por duas vezes isso não teve como corolário o título. Para esta etapa da época tem a segunda melhor pontuação nos campeonatos da última década (um ponto menos do que há dois anos). Enfrentou uma liga dos campeões dificílima e jogou-a muito bem, com três excepcionais exibições (na Grécia, em Turim, em Alvalade com a Juventus) e três outros bons jogos, talvez a merecer melhor sorte final. Nessa campanha mostrando uma excelente armadura táctica, boa condição atlética e patenteando alguns excelentes jogadores. Contratou-se bem, os dois “veteranos” para a defesa recuperaram a condição física e mostram que vieram para somar, Piccini afinal é mesmo jogador. E se Acuña é mesmo competente, Bruno Fernandes foi uma jogada mais do que certeira. Com o plantel assim constituído a equipa está nas meias-finais das taças nacionais e na Liga Europa. Qual o ambiente geral após este “primeiro semestre”? Algum apoucamento dos feitos, muito martirizado pelo jogo menos conseguido em Alvalade com o Porto e com o engasganço na Luz. Críticas constantes ao entendimento táctico de Jesus. E a autoflagelação por causa da contratação de Alan Ruiz e alguns outros (os vizinhos de Carnide abasteceram-se com Douglas, “anteciparam-se-nos” no Gabigol, mostraram Seferovic e lamentam-se tão menos; ali a norte de Gaia pagaram 20 milhões por Oliver Torres e nem é assunto). Somos (um plural pois meto-me todo  neste caldeirão) mesmo insuportáveis.

O que desejo para o segundo semestre? Que ninguém ande por aí a dizer que “iremos comemorar para o Marquês”. O título deverá ser comemorado no estádio de Alvalade, nossa casa. E se não coubermos todos temos as cercanias.

Afinal?!

Swansea-boss-Carlos-Carvalhal-670003.jpg

(Postal para o És a Nossa Fé)

Eu sei que é dia de derbi. E que a “janela de Inverno” fervilha (a ver vamos, que isto de “entradas de Janeiro, saídas de sendeiro” – ok, ok, o André Cruz e etc, mas isso são as excepções …). Mas, assim a modos que prelúdio para o dia, dá-me gozo isto do Carvalhal ter entrado no “melhor campeonato do mundo”. Dois anos excelentes na II divisão (como antes se dizia), agora ascendendo ao Swansea. Um grande primeiro jogo – vitória que não foi com “dedo de banco”, foi mesmo com “manápula de banco”. Ok, ontem uma derrota com o forte Tottenham, mas algo excêntrica (também há erros de arbitragem “lá fora”). Enfim, o homem treinou o Sporting, nunca foi amado, nem confiado. E, afinal?!, deve ter algum valor para estar a fazer a carreira que está a fazer. Estou a torcer por ele.

Fui ao futebol

spo-bel

(postal para o És a Nossa Fé).

Ontem Sporting 1 – Belenenses 0. Estádio muito cheio, claro, um dérbi, contra o 4º grande (ó Salvador, atenta bem nisto). Fui com o Miguel, meu afilhado, pastel. Aliás, ele e o cunhado dele, lagarto, levaram-me. É o 1º de Dezembro, cantou-se o hino, foi bonito e esteve bem. A sportinguista sentada exactamente à minha frente, acompanhada do seu pequenote e de uma amiga, é uma jovem senhora lindíssima, casaco branco cintado que lhe fica mais-que-bem, loura acobreada intensa – sim, intimidades que a vizinhança de bancada permite comprovar – que refulge. Raisparta, tivesse eu menos 20 anos (faria nada, claro, mas fica bem dizer isto) … O Sporting é solidário e os nomes dos jogadores nas camisolas hoje estão em braille. O defesa do Beleneses quis ler o nome do Podence e foi penalti. Golo! Levanto-me e sento-me. Cabeceio na primeira parte – está visto, não devia ter bebido tantas imperiais com a entremeada debaixo do viaduto da segunda circular.  Ai que saudades, ai, ai, do nougat ao intervalo. E da queijadinha de Sintra. O meu querido pastel está há horas a chatear-me com o 1-3 do ano passado, que veio ver. E agora diz-me que os três golos (deles) foram “naquela baliza”, a nossa da segunda parte. Joga-se. O casaco branco tão bem cintado agita-se, o cabelo ainda mais refulge. Os jogadores do Belenenses são rapazes jeitosos, esforçados, vindos do Atlético e do Oriental (“e do Olivais e Moscavide”, completo), mas não jogam nada, já resmunga o referido pastel, ali ao meu lado. Cabeceio mais, acho que passo pelas brasas, estremunho-me com os assobios aos nossos, regresso ao sono, acho que um dos brunos (o carvalho?) falhou um golo, o brian também, que esse vi, mas mal, já por causa das ramelas. Saímos depressa, eles para um jantar, eu para o metro, para não ver o Porto-Benfica, antes do “até amanhã” o Miguel pede-me desculpa de me ter convidado para um jogo destes, eu respondo que o Sporting merecia ter empatado e que eles mereceram a derrota. Agora é ganhar ao Barça e ninguém nos segura até Kiev. Pois há quanto tempo não temos sorte? Daquela verdadeira sorte? Este Ano É Que É.

Requiem pelo fotojornalismo desportivo?

rui patricio

Talvez por alguns dos meus grandes amigos serem fotógrafos. Talvez por um deles ser mesmo um fotorepórter desportivo, actividade que desempenhou durante anos … talvez por isso mesmo me surpreenda, e angustie, isto. Sim, a gente sabe que a profissão fotógrafo capotou nos últimos anos – as milhares de milhões de pobres “imagens” avassalaram as algumas Fotografias que os oficiais do ofício sabiam manufacturar.

No campo do futebol, nos campos de futebol, idem. É ver os espectadores, em vez de seguirem o jogo, distraídos com os seus telefones a “filmarem” e “fotografarem” o jogo, produzindo um patético lixo cuja única inocência é não ocupar espaço físico.

Enfim, vem isto a propósito do Sporting-Juventus de anteontem. Aos 69 minutos, vindo lá do canto da baliza, Rui Patrício fez uma defesa extraordinária – não exactamente espectacular mas absolutamente extraordinária, no que mostrou de capacidade técnica de controlo do seu espaço próprio, a baliza e a pequena-área. Fica-me, aos meus 53 anos, como aquela defesa do meu ídolo de sempre, Vítor Damas, no estádio de Wembley ao serviço da selecção nacional.

Procuro no google uma fotografia dessa defesa, várias buscas. Nada encontro a não ser esta imagem televisiva. É possível que alguma haja, mas não a encontrando facilmente, com as tecnologias digitais de agora, mostra bem que a reportagem fotográfica está desmoralizada.

E sigo, no tom do envelhecido, com as saudades dos tempos de António Capela e Nuno Ferrari. Esses que, com outra tecnologia, teriam arrancado, e imortalizado, este voo de Rui Patrício. E assim teriam inundado capas e primeiras páginas de jornais de papel.

O Muro de Lisboa

muro

(escrito para o És a Nossa Fé)

Não há muito que eu tenha para dizer. Quando em casa com o Porto o nosso melhor jogador é o guarda-redes, isso mostra como foi. Também não tenho grande coisa para resmungar, os rapazes vindos lá de cima jogaram bem, na primeira parte impuseram-se, amarfanharam até. Na segunda parte nem tanto, que aquilo foi oscilando, podia ter “caído” para qualquer um dos lados. Mas, de facto, não se perdeu o jogo porque o Rui Patrício foi o Muro de Lisboa a que nos vem habituando.

Jogo sem “casos” nem porradas, protestos e desvairos. Mau para os comentadores da bola, de que poderão agora falar?, que o árbitro Xistra passou por ali como se não fosse nada com ele.

Algumas breves notas, para mais tarde, ao longo da época, confirmar: a) Jonathan Silva é um desamado no plantel. Mathieu, Coates, Battaglia, William, talvez mais, passam-lhe a bola em registo de biqueirada ou lá mais para a frente ou para trás dele. Os chutos saem directos pela lateral. O rapaz parece que falha, a gente incomoda-se. Uma cabala contra o jovem argentino? b) Gelson rodopia, imaginativo, deambula, passa, por vezes muito bem outras nem tanto, o que é normal. Mas há alguns jogos que não o vejo driblar/fintar/ladear um adversário, aquele célebre e tão necessário “ir para cima” do outro, e daí ir até à linha para passar/cruzar. Mero acaso ou está em vias de transformação, devido aos cuidados tácticos defensivos, mudando-se de grande extremo para mero bom jogador? c) não percebo nada de metodologia de treino mas se calhar treinar a marcação de cantos não seria desadequado. Não houve um que se aproveitasse; d) o banco do Sporting, afinal, é muito curto. Para tentar desfazer um 0-0 em casa Jesus fez uma substituição (a de Podence não conta). É óbvio que sente não ter opções.

A ver vamos nas próximas jornadas. Agora intervalo para selecções. O que será bom para quem está em “crise”. Não é o nosso caso.

Prognósticos só antes dos jogos: Sporting-Barcelona

scp_barça

(Texto escrito para o blog És a Nossa Fé)

O problema de jogar com o Barcelona não é só poderio do adversário, ainda para mais em óbvia recuperação após o relativo ocaso no final do consulado de Luiz Enrique. O novo técnico Valverde está na senda do sucesso, reabilitou tacticamente a equipa, incrementou (ao que se diz) os mecanismos de pressão, soltou (ainda mais) Messi, e flanou sobre a cisão Neymar. E tenho para mim que este, até pelo seu narcisismo parisiense, em breve será apenas uma memória sarcástica no Estádio Nou. Certo que Xavi será sempre uma saudade e Iniesta para lá caminha, ainda que tenha muito para dar. Aos colegas, e a todos os que amam futebol (eu sou daqueles que diz Iniesta Regla [será assim que se escreve?]). Mas a equipa Barça monumentaliza-se de novo.

O problema crucial está no Sporting. O técnico Jesus falha nas competições europeias, não tem fineza táctica para estes embates. Para ele Vilar Formoso ainda é fronteira, o que talvez lhe seja questão geracional ou até défice cultural. E, apesar da massa financeira que sempre despende, aposta em jogadores insuficientes para a grandeza do clube, ainda que possam ter alguns méritos, e neles insiste desmesuradamente. Nisso desprezando a formação do clube, muito devido à sua fixação no mercado futebolístico sul-americano, sempre uma lotaria na adaptação dos jogadores ao difícil futebol europeu. Exemplos disso são a contratação absurda de Battaglia, pelo qual se pagou uma fortuna, em dinheiro, passe de Esgaio e empréstimo de Jefferson, um jogador que o próprio Braga emprestara épocas a fio a clubes secundários. Ou a vinda de Acuña, um nítido Gaitan de segunda ou terceira ordem. Ou mesmo de Coates, um central pesado e pouco esclarecido. Acumulando a tudo isso está a sua fixação em profissionais em final de carreira, andarilhos, em estados físicos depauperados e com pouca disponibilidade para se integrarem com afinco nos objectivos do clube e na sua mentalidade, na nossa mística. Será preciso recordar os paradigmáticos casos de Fábio Coentrão, um nítido fetiche de Jorge Jesus, uma espécie de sua birra, ou Doumbia, um avançado possante mas pouco dotado, já para nem falar do veteraníssimo Mathieu, aqui chegado quase tão velho como José Fonte, Pepe ou até Bruno Alves?

É com todo este défice de preparação do plantel, que ecoa também as fragilidades da organização da secção de futebol sénior e, em boa verdade, de todo o clube, que o Sporting vai enfrentar o colosso Barcelona, este apressado na senda da recuperação do cume europeu.

Por tudo isto o meu prognóstico para o jogo de hoje em Alvalade é: Sporting 3 – Barcelona 2.

(Se falhar pago uma bela garrafa, daquelas mesmo belas, de vinho tinto num futuro jantar de bloguistas do És a Nossa Fé. Ou duas, caso a bancada esteja tão cheia que a isso convoque).