O Brasil, a igreja católica (e os opinadores portugueses)

brasil

Bolsonaro é apoiado por várias igrejas evangélicas – sobre cujas dimensões mariolas e comerciais poucas dúvidas haverá. E é certo que IURD e afins já apoiaram o PT (business as usual …). Mas agora bolsonarizam. Que diz a igreja católica, tradicionalmente menos explícita nos seus apoios? Consulto o insuspeito Vatican News e noto que o Conselho Nacional dos Bispos do Brasil já apelara, em Abril, à participação dos católicos nas eleições, para isso evocando considerações do actual Papa e fundando-se nas perspectivas de Bento XVI. E encontro o texto produzido na Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, desta semana (23 e 24 de Outubro): “Nota da CNBB por ocasião do segundo turno das eleições de 2018“.

O documento é interpretável, claro. E, assim sendo, cada um o lerá segundo a sua … decisão prévia. Está acessível na ligação que incluí mas copio a sua conclusão: “Exortamos a que se deponham armas de ódio e de vingança que têm gerado um clima de violência, estimulado por notícias falsas, discursos e posturas radicais, que colocam em risco as bases democráticas da sociedade brasileira. Toda atitude que incita à divisão, à discriminação, à intolerância e à violência, deve ser superada. Revistamo-nos, portanto, do amor e da reconciliação, e trilhemos o caminho da paz!“. Cada um que tire as suas conclusões, segundo a sua … decisão prévia. Mas, caramba, é difícil não encontrar aqui uma elíptica alusão, como é tão habitual na igreja católica, à retórica (e às intenções proclamadas) do capitão Bolsonaro.

Interessam-me as reacções portuguesas ao caso bolsonar. A simpatia para com ele, óbvia ainda que implícita – pois explicitá-la ainda tem custos sociais -, na comunicação social e na política. Jornalistas e bloguistas, “comunicadores” como agora se diz, e políticos que se situam na direita elaboram-se com enleios de neutralidade. Esta tendência anuncia o que um ambiente sociocultural e profissional lisboeta está pronto para acolher, caso surja a hipótese (muito implausível em Portugal, ainda assim). Dessa retórica “neutralidade” é exemplo o que li ontem de um conhecido e veterano bloguista: é “paternalismo” botar opinião sobre as eleições brasileiras! 15 anos depois do advento dos blogs, onde participou e onde nos seus blogs e em tantos interactuantes imensa opinião se botou sobre as várias eleições americanas, francesas, russas, a “hermana” Espanha, angolanas, Tsipras e Varoufakis, se calhar até brasileiras, brexits, autonomias, etc. Mas agora? É paternalismo opinar.

É interessante pois este é um meio, político, social e cultural, que usualmente se revê no CDS, com mais ou menos flutuações. Partido que se reclama (ou reclamou) da democracia-cristã, da doutrina social da igreja e com ligações, muito legítimas, ao mundo eclesiástico.  Ora muito dos agora “neoneutrais”, simpatizantes, militantes (e até presidentes, como Cristas, a quem referi ontem), fazem “orelhas moucas” ao (elíptico) parecer eclesiástico.

Deixemo-nos de subterfúgios, a democracia-cristã portuguesa morreu. E esta direita “neoneutral” anseia por um “movimento de capitães”. Deste tipo bolsonar. A igreja? Serve para a pompa do casamento dos filhos, enterrar os conhecidos, quiçá a missa do galo, para alguns só alguns ainda para um convívio dominical. Eu, ateu e nem baptizado, conheço mal a Bíblia. Mas tenho a ideia de lá ter lido “bem-aventurados os hipócritas, porque eles serão fartos” (Mateus 5: 3-9).