visão

A Visão História é a minha revista portuguesa preferida (a “revista” é um suporte que, sei lá porquê, sempre me irritou, com excepção da banda desenhada). Tem temas interessantes, é cuidada e profusa em imagens. E é legível – gente a escrever coisas informadas sem linguajar ensaístico nem “leveza lite”, é difícil e sempre de saudar. Este último número, “Obras Públicas no Estado Novo”, abarcando a evolução de Lisboa, Coimbra e não só, é um mimo. E nem 5 euros custa – para ler e desfrutar agora, e guardar “para mais tarde recordar”. A mim valeu-me uma viagem de avião deliciado.

Anúncios