gelson.jpg

(Postal colocado ontem no És a Nossa Fé)

Fico francamente estupefacto face à onda de simpatia, qual compreensão, para com o acto do Gelson Martins ontem em Alvalade. Por duas razões. A primeira, mais rasteira, isto da bola e dos hipotéticos triunfos: o jogador já tem 22 anos, cumpre a terceira época na equipa principal, na qual decerto que sabe ser figura fundamental, é internacional A, e é um profissional bastante bem pago, ainda que possa aspirar a novos e “arábicos” contratos, desses que animam a cena futebolística actual. Ou seja, é já experiente e exige-se-lhe responsabilidade. Presume-se ainda que tenha alguma compreensão do que o que o rodeia e espera: diz-se que Garrincha quando se sagrou campeão do mundo no Suécia-58 não sabia que o campeonato tinha acabado, denotando a bruma (genial, mas obscura) em que dirimia o seu inesquecível talento. Mas espero que Gelson, para seu bem, extra-futebol até, não seja epígono dessa abstracção existencial. E que assim saiba, pelo menos, o “jogo” que a vida lhe prepara, o “calendário” que aí vem. Pelo menos o a curto prazo, que, de facto, é o máximo que podemos antever com alguma razoabilidade. Em suma, que soubesse que a próxima jornada é fundamental para as aspirações do clube que o formou, acarinhou e lhe paga. Fazer-se expulso, isentar-se desse compromisso, é totalmente inaceitável. Mimar um jogador querido, “da casa”, competente, ainda para mais jongleur, assim alegria do povo? Sim, com toda a certeza. Mas aceitar isto que aconteceu, “compreendê-lo”, é estragá-lo com mimos. Gelson está em dívida.

Mas a segunda razão é mais importante, e não se prende apenas com Gelson. Podemos compreender a amizade, a preocupação, o cuidado, dos jogadores do Sporting para com Ruben Semedo, seu ex-colega. Mas acontece que este não está envolvido numa qualquer situação, dessas corriqueiras que por vezes as notícias ecoam. Crimes ou prevaricações de futebolistas, gente jovem algo inebriada com as facilidades advindas da sua profissão ou, pura e simplesmente, fazendo o que outros fazem mas com as repercussões devidas à sua (relativa) celebridade. Coisas mais ou menos inconscientes, mais ou menos gravosas, por vezes até cândidas. A serem dirimidas pela justiça, com toda a certeza, mas às quais podemos conceder a suspensão da nossa avaliação moral, naquilo do “errar é humano”, muito mais em jovens: a pancada no bar, se em dia de folga; a condução desabrida, e por vezes acima do limite de alcoolização; o destrambelhar de uma situação orgiástica, etc. Maus julgamentos momentâneos, sangue na guelra, imaturidade, valores pouco burilados, tudo a vir ao de cima em situações espontâneas. Lamente-se mas que atire a pedra quem nunca pecou. Ou seja, que a justiça funcione, ressarcindo hipotéticos lesados, mas sempre submetendo-se à vontade de regenerar, de a todos, os lesados e os prevaricadores, proteger pois enquadrar. O que significa a inadmissibilidade de “julgamentos exemplares”. E que nós, cidadãos, compreendamos que a vida não é um mosteiro, que os jovens atletas não são uns monges ascetas, e que não devemos ser excessivamente moralistas. Nisto, como no resto.

Mas as notícias que nos chegam sobre este caso dizem algo diferente. Ruben Semedo está detido por, em grupo, ter sequestrado um homem no intuito de lhe sacar informações sobre o paradeiro de outrem. Agrediu-o, feriu-o, ameaçou-o de amputação, ameaçou-o de morte com uma arma de fogo. Isto não é um conjunto de putos jogadores (muito bem pagos) a roubarem numa loja, pela piada da malandrice, um miúdo já algo aviado à porrada numa discoteca, um tonto inconsciente demasiado bebido a perder o controle da “bomba” que comprou com o magnífico salário (ou que a marca lhe deu, para sua publicidade), ou o aguerrido viril a não aceitar o inopinado “não” que a miúda, daquelas que circundam os jogadores, decide no momento dos “finalmente”. Tudo coisas de facto “inaceitáveis”, crimes umas, burrices outras, mas “compreensíveis”, enquadráveis no sentido de serem alvo de solidariedade, o que não significa “desculpabilização”, irresponsabilização. Pois um “não é um não”, sempre, ou a segurança rodoviária é fundamental, etc.

Mas os actos do Ruben Semedo não são isso, nem uma cena de momento, de exaltação, inebriada até. São puro gangsterismo. São mais do que inaceitáveis. Que os seus amigos jogadores do Sporting queiram pegar no telefone e fazer-lhe chegar a sua solidariedade é com eles. Que os profissionais do Sporting utilizem as instalações e as actividades do clube e, também, o capital social (a visibilidade, acima de tudo) que lhes advém da sua situação profissional e do seu enquadramento institucional (clubístico) para demonstrarem solidariedade pública – como o capitão William Carvalho também acaba de fazer  – com o autor destes actos é muito gravoso. A questão não é que o jogador tenha sido “formado” no clube. Foi-o, mas não é relevante para o caso (“acontece nas melhores famílias”). A questão é que solidariedade pública assumida em quadro institucional usa e abusa da instituição. Conspurca-a, até. Violenta-a.

E devia ter havido alguém a explicar estas matizes aos jogadores.

Anúncios

Diga de sua justiça, sff

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s