Telegraph and Texas Register

(Lista dos mortos americanos na batalha do Alamo, publicado no jornal Telegraph and Texas Register , 1836)

oregonian-newspaper-0108-1919-wwi-casualty-list

(Lista diária de baixas, I Guerra Mundial, jornal americano de Portland)

Por razões outras fui às estantes, ao nicho “E”, naco “Eco”. Deste, entre outros, caiu o livrinho “Cinco Escritos Morais” (Difel, 1998). No primeiro desses escritos, “Pensar a Guerra“, escreveu ele: “Os intelectuais como categoria são uma coisa muito esfumada … Diferente é porém definir a “função intelectual”. Esta consiste em identificar criticamente o que se considera uma satisfatória aproximação ao seu conceito de verdade – e pode ser feita por qualquer pessoa, até por um marginal que reflicta sobre a sua própria condição e que de qualquer modo a exprima, enquanto pode ser traída por um escritor que reaja aos acontecimentos de modo passional, sem se impor a decantação da reflexão.

Por isso … o intelectual não deve tocar o pífaro à revolução. Não para escapar às responsabilidades de uma opção (que pode fazer como indivíduo), mas porque o momento da acção exige que se eliminem as cambiantes e as ambiguidades (e esta é a função insubstituível do decision maker em todas as instituições), enquanto a função intelectual consiste em escavar as ambiguidades e trazê-las à luz do dia. O primeiro dever do intelectual é criticar os seus próprios companheiros de viagem (“pensar” significa desempenhar o papel do Grilo Falante). Pode acontecer que o intelectual opte pelo silêncio por temer trair aqueles com que se identifica, pensando que, para lá dos seus erros contingentes, eles afinal de contas procuram o maior bem para todos. Trágica opção, de que as histórias estão cheias … por [se] pensar que não se podia trocar a lealdade pela verdade. Mas a lealdade é categoria moral e a verdade é categoria teorética. 

Não é que a função intelectual esteja separada da moral. É opção moral decidir exercê-la …. A função intelectual até pode levar a resultados emotivamente insuportáveis … É opção moral exprimir a sua conclusão – ou calá-la (se calhar com a esperança de que seja errada). Tal é o drama de quem, nem que seja por um único momento, se incumbe da tarefa da “funcionário da humanidade”.

Sobre a catástrofe de Pedrógão Grande e áreas vizinhas muito se escreveu. Aqui também, e referi a elisão estatal das estatísticas reais, expressando o desrespeito pelas vítimas. Isso associado à tentativa do estado, desde o dia da catástrofe, em tornear qualquer indagação sobre o funcionamento das estruturas de protecção civil e em impor uma narrativa naturalizadora sobre o acontecido, em tudo reduzir a uma intempérie – pois é óbvio  o incómodo de Costa, político com grande papel nessa estruturação, e de alguns dos seus mais-próximos, agora com funções executivas ou assessoriais. Nisso teve a colaboração de sectores do jornalismo e da academia (aqui mostrei como um jornalista próximo do PS e uma académica de “esquerda” se contradiziam radicalmente, na ânsia de salvaguardar o governo).

São os jornais que avançam finalmente, neste fim-de-semana, números finais e nomes das vítimas. Mas algo contraditórios. As notícias referem ainda que o silêncio estatal demora as acções das seguradoras. Outros brandem hipotéticas questões ligadas a fundos de apoio. De facto, o rescaldo está por fazer. Ou seja, o luto, o luto da sociedade, está por fazer. E as ajudas ao local vão, também por isso, tardando, deixando correr o agora em que são mesmo urgentes. Em suma, o estado demora-se naquela célebre tarefa de “enterrar os mortos, cuidar dos vivos”. Fá-lo para se salvaguardar, e aos seus dirigentes. Nega-se.

mai

Sobre a questão das vítimas de imediato o “aparelho (ideológico, dizia-se) de estado” produz isto. Neste mês e meio as manobras da administração pública, do governo e dos seus apoiantes têm sido denotativas de uma concepção de exercício do poder. Mas esta ideia dos funcionários políticos de que há um “segredo de justiça” a cobrir as vítimas de um incêndio é um caso extremo, um extraordinário e liminar exemplo de uma ideologia estatista, de uma subalternização da sociedade, dos seus grupos e indivíduos. Acima ponho exemplos que julgo característicos: listas (quantas vezes diárias) de baixas militares publicadas na imprensa em XIX e XX, produzidas em sociedades democráticas. Sim, poderão referir que o episódio de Alamo se inscreve no expansionismo dos EUA, que a I Guerra Mundial foi uma guerra imperialista. Mas o relevante é que já então os mortos eram anunciados, ao ritmo do seu conhecimento e com as possibilidades tecnológicas de então. Em cenários de guerra, nos quais há sempre responsabilidade estatal.

O que vemos agora, em XXI, em Portugal, é exactamente o contrário, o elogio e a prática da opacidade estatal. E estamos a falar de mortos causados numa catástrofe natural, e sobre a qual a administração pública tudo insistiu para alijar responsabilidades próprias. E culminando com isto, com o Estado português, este governo e os seus membros, assessores e apoiantes, a defenderem o segredo de justiça para que os mortos não sejam conhecidos pelo “público”, pelos seus compatriotas. Isto é uma total involução, uma radical negação da democracia.

Tenho milhares de ligações no FB, e tenho-as arrumadas por “grupos” (exs. “Moçambique”, “Olivais”, “Blogs”). A uma dessas categorias chamei-lhe “Antropologia”, e nela conjuguei antropólogos, obviamente, e gente de outras áreas das “humanidades e ciências sociais”. São centenas de pessoas, alguns poucos brasileiros, muitos moçambicanos (tantos deles ex-alunos) e portugueses. É sobre estes últimos que recai agora a minha atenção. Percorri as suas actualizações destes últimos dias. Parte substancial deste universo é activa nas redes sociais, empenhadamente opinativa. Politicamente atenta.

Nenhum deles, repito, nenhum deles, insisto, nenhum deles, aludiu a isto! Sei que é um núcleo social, grosso modo, muito estatista. Por razões sociológicas, até de exercício corporativo. E também da história das ideias, no país e na Europa. Mas isto, este detalhe, é tão sintomático que monumento. Pois nenhum deles, e tão assertivos e opinativos tantos deles são, nenhum deles considerou isto como relevante de notar, partilhar, criticar.

Isto é, de facto, o incêndio dos intelectuais. E as baixas são monumentais. Avassaladoras.

Anúncios

2 pensamentos sobre “O incêndio dos intelectuais

    1. Lucilia Maria Vieira muito lhe agradeço, mesmo muito, este seu comentário, preciosíssimo como poucos poderiam ser para estabelecer o contraste com a indigna prática governativa a que assistimos

      Liked by 1 person

Diga de sua justiça, sff

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s